Flor & Arte

Buquês Desidratados

Dicas

História do casamento

História do casamento: uma tradição seguida à risca

A maioria das famílias educa os filhos desde pequenos para a união, ou seja, as crianças são orientadas para seguir a linha dos pais, casar, ter filhos e assim por diante. A história do casamento está ligada diretamente à da reprodução humana, hoje as coisas não acontecem mais assim, mas houve tempos em que o casamento era realizado para que os nomes e propriedades das famílias não desaparecessem. Casamento por amor surgiu muito tempo depois. O pesquisador do Centro de Desenvolvimento Pessoal Golden Years, Paulo Cornelsen, foi buscar em livros e fontes eletrônicas as respostas. Para Cornelsen a importância de relatar a história do casamento vai além de uma curiosidade. “As pessoas têm dúvidas, mas não tempo disponível para procurar informações como estas que eu encontrei. Quando se fala em casamento, poucos se perguntam de onde vem essa tradição” relata.

Segundo a pesquisa a celebração dos casamentos teve inicio na Antiga Roma, não se sabe quando exatamente teve a primeira cerimônia, era uma espécie de negócios entres famílias. Assim as noivas eram prometidas pelos seus familiares, e desde muito cedo elas já sabiam com quem se casariam. O matrimonio acontecia quando o homem completasse 18 anos e a mulher entre 12 e 13 anos. O casamento por amor já existia, mas isso acontecia nas classes sociais mais baixas.

O ritual da cerimônia não mudou praticamente nada nos tempos atuais. No século XVI, o casamento torna-se obrigatório. As noivas usavam flores como buquês e na cabeça para espantar os maus espíritos, usavam coroas de espinhos. As flores representavam a felicidade e a vida longa e os espinhos afastariam os maus espíritos. Mais tarde foi acrescentado o véu, em referência à deusa greco-romana Vesta, protetora do lar, simbolizando a honestidade e a virgindade, virtudes imprescindíveis para uma boa prole e a continuação do “sangue”, segundo os costumes da época.

No século XI, surgiu a aliança que é o maior símbolo de uma união. Após esse período, a tradição do noivado era tão importante quanto o casamento, a cerimônia acontecia 12 meses antes da união, e durante esse período a noiva tinha que ser fiel ao noivo, caso contrário, seria chamada de adúltera e não poderia noivar novamente. Apenas no século XV, a aliança com diamante foi recebida por uma mulher. Surge também o primeiro beijo em público. A tradição dos presentes veio na Idade Média, onde três presentes eram trocados: a família da noiva era a responsável pelo pagamento do dote (o pai da noiva sentia-se proprietário da noiva, por isso pedia um valor por ela). Os pais do noivo eram responsáveis pela moradia. E o sacerdote que celebrava o matrimônio recebia o terceiro presente.

A festa de casamento está presente em todas as celebrações das diversas religiões, sempre com comida farta, bebidas e muita diversão para os convidados, e durava até sete dias. O bolo também teve origem no século XVI, os convidados usavam a cabeça da noiva para partir um pequeno pedaço de pão-doce a fim de deseja-lhe a fertilidade. Os convidados tinham o costume trazerem pequenos pedaços de bolos e que eram colocados em cima dos outros, ao longo dos tempos um padeiro teve a idéia de juntá-los e decorá-los, assim surgiu o bolo de andares. A história dos casamentos está diretamente ligada com a história da moda. A cor do vestido é uma evolução, apesar do aparecimento de novos tecidos e estilos, o vestido de casamento ainda é a tradição mais seguida. As noivas na Antiga Roma usavam o melhor vestido para a cerimônia. Já houve épocas em que eram usados vestidos vermelhos, pretos, azuis, mas não tinha uma cor determinada. O branco só aparece em meados do século XVII, quando a rainha Vitória, da Inglaterra apareceu toda de branco em seu casamento. Ela também teria inaugurado o “casamento por amor”, o sentimento básico que deveria unir um homem e uma mulher.

Curiosidades:

Os tipos de casamentos:

Tradições:

Fonte: Centro de Desenvolvimento Pessoal Golden Years.
Pesquisador: Paulo Cornelsen